Museu 11 de Setembro em New York

Museu 11 de Setembro - Tridentes que faziam parte da fachada original das Torres Gêmeas - Foto: Reprodução/9-11 Museum.

Tridentes que faziam parte da fachada original das Torres Gêmeas – Foto: Reprodução/9-11 Museum.

Hoje, foi aberto ao público, em Manhattan, New York, o Museu 11 de Setembro, uma forma de homenagear as vítimas dos atentados que ocorreram em 11 de setembro de 2001 (e também em 26 de fevereiro de 1993) e também todos que se arriscaram para salvar vidas.

Localizado no Marco Zero, no mesmo local onde foi construído o Memorial com os nomes de quem morreu em 2001 e onde ficavam as Torres Gêmeas que foram destruídas nos ataques, o Museu 11 de Setembro tem sete andares no subsolo, que antes serviam de fundação na qual as torres foram construídas. Com quase 11.000 metros quadrados, além de receber visitantes o museu será também a principal instituição nos Estados Unidos para quem quiser entender e examinar as implicações dos eventos de 9 de setembro, documentando seu impacto e explorando seu significado naquele país e no mundo.

Exposto, um caminhão do corpo de bombeiros de New York com a cabine destruída por destroços - Foto: Jin Lee-9/11 Memorial Museum.

Exposto, um caminhão do Corpo de Bombeiros da Companhia 3  com a cabine destruída por destroços. Os 11 bombeiros da companhia morreram soterrados quando a torre ruiu – Foto: Jin Lee-9/11 Memorial Museum.

Todos terão acesso a mostras multimídia, arquivos, narrativas e também a uma grande e autêntica coleção de objetos que sobraram após ataques, que contarão por si muito do que aconteceu no dia em que ocorreram e também do que veio a seguir  não só no World Trade Center, mas também no Pentágono, em Washington e no voo 93, que caiu na Pensilvânia. A história de cada vítima também será compartilhada.

"Nenhum dia te apagará da memória do tempo", Virgilio. Atrás dessa parede, fica o cômodo onde estão guardados os restos mortais não identificados de vítimas do atentado - Foto: Jin Lee-9/11 Memorial Museum.

“Nenhum dia te apagará da memória do tempo”, Virgilio. Atrás dessa parede, fica o cômodo onde estão guardados os restos mortais não identificados de vítimas do atentado – Foto: Jin Lee-9/11 Memorial Museum.

Numa parte isolada do edifício, longe dos olhos dos visitantes, ficarão os restos mortais que foram recuperados nos escombros e não puderam ser identificados com o DNA de familiares. Quase 13 anos depois, das 2.753 pessoas desaparecidas, 1.115 ainda não foram identificadas…

O complexo todo é batizado de National September 11 Memorial & Museum.

Vista aérea do Memorial no Marco Zero - Foto: National September 11 Memorial.

Vista aérea do Memorial e do museu no Marco Zero – Foto: National September 11 Memorial.

 

Impacto nos Estados Unidos e no mundo

Num trecho de sua mensagem, publicada no site do Museu 11 de Setembro, a diretora Alice M. Greenwald afirma que o local “proporciona um estudo de caso sobre como pessoas comuns agiram em circunstâncias extraordinárias, seus atos de bondade, de compaixão e de generosidade de espírito demonstrando o efeito construtivo profundo que podemos exercer na vida de outras pessoas pelas escolhas que fazemos, mesmo diante de uma destruição indescritível” e que ali é possível embarcar “numa jornada para dentro do coração da memória como agente de transformação, dando poder a cada um de nós para buscarmos uma compreensão mais profunda do que significa ser um ser humano vivendo num mundo interdependente no começo do século 21”.

Á direita, a última coluna retirada do que restou do WTC. Ela pesa 58 toneladas e tem 11 metros de altura. Coladas nela estão fotos e assinaturas de quem trabalhou no resgate, de voluntários e de familiares das vítimas - Foto: Jin Lee-9/11 Memorial Museum.

Á direita, a última coluna retirada do que restou do WTC. Ela pesa 58 toneladas e tem 11 metros de altura. Coladas nela estão fotos e assinaturas de quem trabalhou no resgate, de voluntários e de familiares das vítimas – Foto: Jin Lee-9/11 Memorial Museum.

 

Você também pode deixar sua mensagem

Se quiser, ao visitar o museu você também pode deixar uma mensagem gravada, seja para contar sua experiência em relação ao 11 de setembro, para falar sobre alguém que morreu nos ataques ou para dar sua opinião sobre o acontecimento. Todas as gravações ficarão no arquivo da instituição e trechos delas poderão ser utilizados em divulgações.

 

Críticas

O Museu 11 de Setembro abre suas portas com várias críticas, vindas principalmente de parentes das vítimas. Entre elas estão o valor cobrado pela entrada; o fato de os restos mortais estarem numa sala que, embora não possa ser visitada pelo público, tem apenas uma parede separando-a dos demais salões; e a existência de uma loja de souvenirs, que é comum a todos os museus, mas que muitas pessoas estão dizendo ser de extremo mau gosto. Uma delas é Diane Horning, que perdeu o filho em 2001. Ela afirma que ter uma iniciativa comercial naquele local é mais do que insensível.  Como se pode ver, nem todo mundo é favorável a esse tipo de “homenagem”.

 

Regras a serem observadas

– É preciso manter silêncio e ter respeito pelo Memorial e pelo museu, que são considerados como lugares sagrados pelos americanos;
– Mesmo para visitar apenas o Memorial, que é gratuito, é preciso mostrar o passe e pode ser que o funcionário peça para ver um documento de identificação;
– Visitantes e bagagens estão sujeitos a controle;
– Não é permitido entrar com bolsas, malas ou mochilas grandes. O limite de tamanho nesse caso é de 20x43x48 cm;
– O tempo de permanência no Memorial é o que estiver indicado no passe de visitante, por isso não adianta chegar muito cedo;
– Nada de jogar coisas nas piscinas do Memorial.

Ilustração da ala Memoriam.

Ilustração da ala Memoriam do museu.

 

Informações úteis*

Endereço do Marco Zero
Albany Street, 1 – Lower Manhattan

Tickets para o museu Adulto – US$ 24 | +65 anos – US$ 18 | 7 a 17 anos – US$ 15
– Entrada gratuita às terças-feiras das 17h às 20h (entrada permitida até as 19h). É possível fazer reserva online, conforme disponibilidade, com duas semanas de antecedência.
– Para comprar e para reservar, clique aqui.

Horário de funcionamento
De 21/5 a 21/9/2014: das 9h às 20h (última entrada às 19h)

Aplicativo para smartphone
Você pode fazer download do aplicativo 9/11 Memorial para entender melhor esse local antes e durante sua visita.

Site do 9/11 Memorial & Museum
www.911memorial.org

(*Confira essas informações na época de sua viagem, pois com o passar do tempo elas podem ser alteradas pela administração do museu.)

Assista: Sobre New York city.


Receba nossas novidades por e-mail. Para isso, é só preencher seus dados abaixo e clicar em “Enviar”. Ficaremos contentes de ter você em nossa lista!


Comments

comments

Comente este post

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *