Minha primeira viagem à Disney – atrações nos parques temáticos

Nos posts anteriores, contei sobre como foi essa minha primeira viagem à Disney. Agora, detalharei sobre as atrações nos parques temáticos e o que mais gostei.

Epcot Center

Uma das vistas do Epcot Center - Foto: Rodrigo Duzzi.

Uma das vistas do Epcot Center – Foto: Rodrigo Duzzi.

É o famoso parque da “bola”, aquela que aparece em todos os cartazes de agências de viagens – que por si já é uma atração. Num carrinho, fazemos um percurso dentro dela (da bola), escutando histórias sobre a evolução da tecnologia no mundo. Podemos escolher o idioma e traçar nosso desejo de como seria o futuro respondendo a perguntas tocando numa tela durante a atração. No final, assistimos ao vídeo criado por nós e podemos enviar a foto para nosso e-mail, como recordação.

Agora, a melhor parte é o percurso pelos países espalhados pelo parque – pedacinhos de diversas regiões do mundo, muito bem montados com estilo, arquitetura, decoração, lojas e restaurantes típicos de cada localidade. Almoçamos no Marrocos: uma comida sensacional e com atendimento característico. Encontramos por lá: França, Inglaterra, Japão, China, Canadá, Itália e Alemanha, entre outros. O ideal é ver tudo durante o dia, já que o show de encerramento acontece por volta das 19h. Depois disso, fica tudo escuro e eles fecham os ambientes. Aliás, vale ver a atração final. É bem bacana.

Brinquedos mesmo são poucos, mas vale conferir os seguintes:

– Soarin: simulador de asa-delta, como se estivéssemos a 40 metros
– Mission Space: trata-se de uma viagem de foguete para Marte a 8 mil milhas, com direito a desvios de meteoro e tudo. Quem tem problema de enjoo ou labirintite pode escolher a opção sem emoção
– Test Track: falam que é muito bacana, mas o brinquedo parou quando estávamos prestes a entrar na atração, que é patrocinada pela Chevrolet. Chegamos a desenhar nosso próprio carro, mas tivemos de sair da fila

Dica: todo parque tem mapas em diversos idiomas logo na entrada. É fundamental pegar para “se achar” e montar um percurso de acordo com seu gosto. Por exemplo, dá até para escolher o país que deseja almoçar e montar o roteiro para passar pelo local por volta do meio-dia.

Magic Kingdom

Desfile de personagens no Magic Kingdom - Foto: Rodrigo Duzzi.

Desfile de personagens no Magic Kingdom – Foto: Rodrigo Duzzi.

É o principal parque da Disney. Nele, está o famoso Castelo da Cinderela, com restaurante e salão de beleza para as meninas, que podem virar princesa por um dia. É muito legal observar as expressões das crianças quando veem os personagens circulando entre os brinquedos.

É tudo muito limpo e encantador e já somos fisgados pela magia ainda no estacionamento. Além de pegar o trenzinho que nos leva até a bilheteria, tem outro trem, de verdade, para chegarmos ao parque. Trata-se de um monotrilho que passa por paisagens sensacionais com lagos e muito verde. É possível avistar os hotéis e os resorts da Disney. Esse trajeto também pode ser feito de balsa, mas é mais demorado.

Dos quatro parques da Disney, o Magic Kingdon é o mais indicado para crianças. A maioria das atrações é focada nos pequenos. Um dos destaques vai para a parada dos personagens. Eles circulam pelo parque em carros alegóricos, se é que posso chamar assim. É incrível como todos param para ver o desfile. As crianças ficam de boca aberta.

É preciso se programar para ver o show de encerramento. Se tiver de perder algum, que não seja esse, que acontece na praça do castelo por voltas das 21h. Chegue antes para pegar lugar. Com uma sequência de desfile dos personagens, de atração de luzes e de vídeos no castelo e de fogos cuidadosamente sincronizados, tudo é feito para prender nossa atenção.

Uma das atrações que mais gostei foi a Space Mountain, uma montanha-russa que percorre o espaço com muitas luzes e adrenalina. A Haunted Mansion também é bem legal. Em um carrinho, percorremos por uma casa mal-assombrada.

Dica: ver a previsão do tempo antes de programar a ida, pois se chover, não tem espetáculo de encerramento.

Hollywood Studios

Show dos carros, com a participação de Steve McQueen, do desenho Carros - Foto: Rodrigo Duzzi.

Show dos carros, com a “participação” de Steve McQueen, do desenho Carros – Foto: Rodrigo Duzzi.

É um parque que tem como foco o entretenimento com shows ao vivo, como o musical da Bela e a Fera, e eventos especiais. Os principais acontecem no palco que tem um chapéu azul enorme do Mickey. Parece que estamos em uma cidade cenográfica. Uma atração bacana de conferir é o show dos carros, que acontece em horários específicos. Em 33 minutos, é possível ver os segredos por trás das filmagens de acrobacias de veículos e pirotecnia. Tem até a participação do McQueen, do filme Carros. Um dos cartões-postais do parque é a Hollywood Tower, um hotel mal-assombrado. A atração é um elevador que despenca por vários andares.

Agora, um dos brinquedos que mais valeu a pena de todos os parques, foi a montanha-russa do Aerosmith. Primeiro, numa sala a produtora conversa com a banda e diz que eles estão muito atrasados e precisam “voar” para o show. A atração simula todo o percurso com uma limousine. O melhor é o cenário pelo qual passamos. Além de uma velocidade superalta, passamos pelo cenário de uma cidade, com ruas e semáforos. Tudo muito bem montado.

No início da noite, também tem um show de encerramento, chamado de Fantasmic. Com fogos de artifício e projeção de imagens em água, ele é estrelado por Mickey Mouse. Em meio às atrações, que contam com as tradicionais músicas da Disney, personagens navegam pelo lago que divide a plateia do espetáculo.

Animal Kingdom

Montanha-russa Everest no Animal Kingdom, da Disney - Minha primeira vez na Disney - Foto: Rodrigo Duzzi.

Montanha-russa Everest no Animal Kingdom, – Foto: Rodrigo Duzzi.

É uma mistura de parque com zoológico para quem gosta de animais e de diversão ao mesmo tempo. Enquanto fazemos o percurso para chegar às atrações, passamos por diversos animais, como onça, crocodilo e aves, entre outros. Além disso, tem um safári no meio dos bichos, que ficam bem próximos, sem cercas ou divisórias.

A montanha-russa Everest é uma das atrações que mais chama a atenção. O percurso é feito de frente e de costas. O Dinosaur também é bacana. Trata-se de um percurso pré-histórico em alta velocidade, com curvas acentuadas e quedas repentinas.

Quem gosta de se molhar, vale a pena se aventurar no Kali River Rapids. É uma espécie de Rio Bravo, como no nosso Hopi Hari. Não tem show de encerramento no Animal Kingdom. Dá para aproveitar e sair mais cedo para fazer compras ou simplesmente para descansar.

Você pode conferir todos os detalhes das atrações dos parques da Disney aqui.

Universal Studios e Islands of Adventure

Entrada da Universal Studios - Foto: Rodrigo Duzzi.

Entrada da Universal Studios – Foto: Rodrigo Duzzi.

Em minha opinião, são os dois melhores parques. Neles, além das atrações baseadas nos filmes  mais famosos da Universal, estão também as  atrações do Harry Potter. Não deixe de comprar os ingressos para os dois locais. Assim, você poderá pegar o famoso trem do filme do bruxo: o Hogwarts Express, que liga a parte antiga do personagem com o Beco Diagonal, um bairro fictício ao qual somente os bruxos têm acesso, de acordo com os livros. Lá, você encontra as lojas idênticas à obra. Realmente, é como estar no filme.

Bairro Diagonal do filme Harry Porter - Foto: Rodrigo Duzzi.

Bairro Beco Diagonal do filme Harry Porter – Foto: Rodrigo Duzzi.

O brinquedo Twister é inacreditável. O percurso é todo feito a pé e podemos ver um tornado bem de perto, com direito a vaca voando e tudo, além do telhado que quase cai na nossa cabeça. A atração do Mib é bem bacana também: num carrinho com armas, podemos desafiar o colega que sentar ao lado para ver quem faz o maior número de pontos. O percurso é cheio de emoção e surpresas. Vale a pena conferir.

Não deixe de visitar a ala do Jurassic Park. O splash é sensacional, mas prepare-se para sair ensopado. Aliás, os brinquedos que molham do Islands of Adventure são bem radicais, bonitos e coloridos. Quem gosta de brinquedos mais radicais não pode perder a Rockit, uma montanha-russa que sobe totalmente inclinada e conseguimos escolher nossa música predileta para o percurso.

Confira todas as atrações dos parques Universal Studios e Islands of Adventure aqui.

SeaWorld

Show das baleias no SeaWorld - Foto: Rodrigo Duzzi.

Show das baleias no SeaWorld – Foto: Rodrigo Duzzi.

Quem nunca ouviu falar no SeaWorld? Realmente, não tem como ir a Orlando e não conhecer esse parque. As principais atrações são as apresentações, sempre ligadas ao oceano. A mais popular é o show da Shamu. Na verdade, são diversas baleias orcas que se apresentam com seus treinadores (que ficam fora do aquário), com música e chafarizes gigantes. Se você sentar próximo ao aquário, correrá o risco de tomar um belo banho!

Outro espetáculo bacana é o dos golfinhos. Num cenário todo colorido, mergulhadores e acrobatas interagem com os bichos e com a plateia. Até pássaros participam do show.

Uma atração que foge um pouco da proposta do parque é a Pets Ahoy. É praticamente uma peça teatral estrelada por animais: tem cachorro, gato, rato, gambá, pássaros e até porto no elenco. E eles tomam conta do palco em 90% da apresentação. Há poucas cenas com interação dos treinadores. Vale a pena assistir!

O local também conta com brinquedos radicais para quem gosta de adrenalina. São duas montanhas-russas: a Kraken (a mais tradicional do parque) e a recente Manta (uma arraia voadora que leva o visitante de barriga para baixo a 90 quilômetros por hora). Ela estava com muitas paradas por causa do tempo ruim e acabei não indo, mas minhas primas foram e adoraram.

Tem outras atrações mais mansas, como a área destinada a crianças e o passeio no meio dos pinguins.

Dica: confirme os horários das atrações e chegue com pelo menos 30 minutos de antecedência, pois costumam lotar e os funcionários fecham as portas. São em torno de três apresentações de cada espetáculo por dia, mas é legal fazer um roteiro para conseguir ver todas, pois elas acontecem quase simultaneamente.

Aquatica

 

É um parque aquático que pertence ao grupo SeaWorld. Ficamos apenas meio período nele. Como nunca tinha ido a um nem aqui no Brasil, tudo foi novidade para mim. Tem praia artificial, com areia e ondas, além de diversos brinquedos radicais, como o túnel fechado que passa num tanque com golfinhos.

Agora, quem tem coragem encara o Ihu’s Breakawayfalls, o mais íngreme e o único escorregador de queda desse tipo em Orlando. São cabines individuais que fecham suas portas, o chão praticamente se abre e você despenca quase que em queda livre. Segundos antes fica o som bem forte de um coração batendo, como se fosse o seu. Gostei bastante!

Quem não gosta de adrenalina pode se distrair com atrações mais mansas, como o Rio Bravo e os passeios de boia pela correnteza, entre outros.

Busch Gardens

Um dos jardins do Busch Gardens - Foto: Rodrigo Duzzi.

Um dos jardins do Busch Gardens – Foto: Rodrigo Duzzi.

Também do grupo SeaWorld, ele fica em Tampa, a uma hora de Orlando. Quem não gosta de brinquedos radicais ficará um pouco deslocado, pois o Busch Gardens é praticamente formado por montanhas-russas. Tem outros brinquedos, mas a maioria de pura adrenalina, como a torre mais alta (102 metros) de queda vertical e única desse tipo na América do Norte.

A Sheikra chama bastante a atenção, já que é uma montanha-russa com um dos maiores carrinhos que já vi (são três fileiras com umas dez pessoas em cada uma), com uma queda de 90º a 112 km/h. Os pés vão balançando, pois ela não tem piso, e ela ainda passa por um jato d’ água provocado pelo próprio carrinho.

Os percursos são todos feitos por jardins sensacionais e por uma espécie de zoológico. Enfim, assim como nos outros parques, mesmo quem não gosta de adrenalina tem o que fazer, ainda que seja apenas passear pelas bem elaboradas decorações.

Um ponto positivo (ou não, dependendo do ponto de vista) são as lojas espalhadas por todos os parques. São muitas e com acessórios, roupas e objetos ligados ao parque e aos seus personagens. O preço é bem salgado, mas é difícil não comprar. (rs)

Você pode consultar todas as atrações dos parques do grupo SeaWorld aqui.

Chegamos ao fim da série sobre minha primeira visita à Disney. Espero que você tenha curtido. Se não leu os posts anteriores, acesse: 1- Minha primeira visita à Disney – e ela é realmente mágica e 2- Miami e Orlando.

(Texto e fotos: Rodrigo Duzzi)


Receba nossas novidades por e-mail. Para isso, é só preencher seus dados abaixo e clicar em “Enviar”. Ficaremos contentes de ter você em nossa lista!


Comments

comments

2 comments

  1. Amandina Morbeck on 22/08/2015 at 10:42 said:

    Agradecemos, Marcia! Vale a pena conhecer os parques, sim. Um abraço.

  2. Marcia Nichelatti on 11/08/2015 at 12:13 said:

    Adorei seu post! Ainda quero conhecer a Disney.

Comente este post

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *