Circuito W, Torres del Paine, Chile – dia 1

Os primeiros metros em direção ao Refúgio El Chileno acontecem nessa estrada de terra até o Hotel Las Torres, ao fundo - Circuito W, Torres del Paine, Chile - dia 1 - Foto: Amandina Morbeck.

Os primeiros metros em direção ao Refúgio El Chileno acontecem nessa estrada de terra até o Hotel Las Torres, ao fundo – Foto: Amandina Morbeck.

Do Refúgio Torres Central ao El Chileno

Fizemos o check-in no dia anterior no Refúgio Torres Central, depois de deixarmos Laguna Amarga, e fomos informadas sobre o horário do jantar e do café da manhã, pois os trekkers são divididos por grupos para evitar alvoroço. Jantamos às 19h30 e, cansadas, fomos pra cama com o dia bem claro ainda, pois nessa época do ano no Chile (janeiro) só escurece a partir das 22h30.

Acordamos por volta das 7h para o que seria o primeiro dia oficial para colocarmos as botas na trilha. Fizemos o desjejum e, quando terminamos, com as mochilas já prontas, só pegamos o lunch box (almoço de trilha), guardamos tudo e começar a caminhada em direção ao Refúgio El Chileno por volta das 8h20.

Depois de cruzar a ponte, começa a subida ao Refúgio El Chileno (à direita) - Circuito W, em Torres del Paine, Chile - dia 1 - Foto: Amandina Morbeck.

Depois de cruzar a ponte, começa a subida ao Refúgio El Chileno (à direita) – Foto: Amandina Morbeck.

A manhã estava nublada e fria, ideal para caminhar. Pegamos a estrada que leva até o Hotel Las Torres, último ponto com acesso para veículo motorizado naquela parte do parque, e a partir dali começa a trilha; até o El Chileno são 5 km. Inicialmente, ela é plana, mas logo depois da ponte começa a subida, que se torna cada vez mais íngreme. Muitos trekkers não usam, mas para mim os bastões de caminhada são superimportantes, principalmente para subidas e descidas fortes com mochila cargueira nas costas.

Subindo com o Lago Nordernskjold a distância - Circuito W, Torres del Paine, Chile - Foto: Amandina Morbeck.

Subindo com o Lago Nordernskjold a distância – Foto: Amandina Morbeck.

O sol apareceu e trouxe muito calor. À medida que subíamos, a paisagem ficava cada vez mais bonita, principalmente às nossas costas, com vista para o Lago Nordernskjold. Impossível avançar com rapidez, pois queríamos fazer fotos,  curtir o visual e também fazer pequenas paradas para recuperar o fôlego. Na trilha, muitas pessoas de diferentes países, cada qual no seu ritmo.

A paisagem é linda todo o tempo - Circuito W, Torres del Paine, Chile - Foto: Amandina Morbeck.

A paisagem é linda todo o tempo; pelo caminho, só tirando as roupas mais quentes, que foram penduradas nas mochilas – Foto: Amandina Morbeck.

Nesse trecho é importante levar água, pois não há riachos de degelo. O único que encontramos estava bem perto do refúgio. Uma brasileira que encontramos no Torres Central nos disse que havia água e que não precisávamos levar peso extra na mochila, que uma garrafinha seria suficiente. Nada disso! Passamos um pouco de perrengue porque principalmente depois que sol apareceu (e ele queima de verdade), ficamos com muita sede.

Vale do Rio Ascencio, com a trilha serpenteando à esquerda e o Refúgio El Chileno em meio às árvores mais embaixo, lá na frente - Circuito W, Torres del Paine, Chile- Foto: Amandina Morbeck.

Vale do Rio Ascencio, com a trilha serpenteando à esquerda e o Refúgio El Chileno em meio às árvores mais embaixo, lá na frente – Foto: Amandina Morbeck.

Quando a subida acaba e a trilha vira levemente à esquerda é um UAU! Ficamos de cara com o maravilhoso Vale do Rio Ascencio.  De um lado, um morro; no meio, a trilha; do outro lado, o despenhadeiro e, lá embaixo, o rio correndo veloz, com seu barulho ecoando pelo vale. Lá no fundo, o Refúgio El Chileno, na margem do rio, e um pouco à frente, as pontas das torres do maciço Paine.

Chegando ao Refúgio El Chileno - Circuito W, Torres del Paine, Chile - Foto: Amandina Morbeck.

Chegando ao Refúgio El Chileno, no único ponto de água desde o Refúgio Torres Central – Foto: Amandina Morbeck.

Começamos a descer, felizmente com zero de vento. Imagino que com ele soprando fique um pouco mais difícil caminhar naquela trilha, por ser tão aberta. O visual é de tirar o fôlego e fui caminhando mais devagar, degustando cada passo.

Depois de cruzar a ponte sobre o Rio Ascencio, chega-se ao Refúgio El Chileno - Circuito W, em Torres del Paine, Chile - Foto: Amandina Morbeck.

Depois de cruzar a ponte sobre o Rio Ascencio, chega-se ao Refúgio El Chileno – Foto: Amandina Morbeck.

Chegamos ao refúgio depois de 3h de caminhada. Após o check-in, deixamos as mochilas no quarto e nos preparamos para a segunda etapa, que seria a subida para o mirante das torres, a umas 3h dali.

Leia também:
Brasileiro morreu em Torres del Paine
Agendamento para acampamentos em Torres del Paine

Trilha em direção ao mirante da base das torres e ao acampamento Torres - Circuito W, em Torres del Paine, Chile - Foto: Amandina Morbeck.

A trilha entre o mirante da base das torres e o Acampamento Torres passa por dentro desse bosque –                               Foto: Amandina Morbeck.

Seguimos pela trilha, que logo depois entra num bosque muito verde e refrescante, e começamos a subir de novo. No entanto, não fomos até o mirante, pois minhas amigas estavam sentindo muito cansaço e achamos melhor voltarmos todas. De qualquer forma, o que vimos até onde caminhamos também foi muito bonito. Na verdade, não tem lugares feios no parque.

Visual da porta do Refúgio El Chileno - Circuito W, Torres del Paine, Chile - Foto: Amandina Morbeck.

Visual da porta do Refúgio El Chileno – Foto: Amandina Morbeck.

De volta ao refúgio, tomei banho, fui fazer mais fotos porque o entorno é lindo, com vista para as pontas das torres e o rio correndo do lado. Queria ficar ali, curtindo aquele visual todo, sentindo uma alegria imensa por estar ali e por ter visto tanta beleza em todo o caminho. Havia cansaço, mas era gostoso de sentir!

Adquira nosso guia – clique na capa para saber mais

Guia Circuito W - Torres del Paine, Chile - Amandina Morbeck.

Fiz umas anotações no meu diário, jantei e depois fui dormir. O dia seguinte seria mais longo que esse primeiro e era importante recuperar as forças com uma boa noite de sono.

Leia o relato dos outros dias do trekking. Clique nos títulos para acessar:

– Circuito W, dia 2

– Circuito W, dia 3

– Circuito W, dia 4

Para saber mais sobre os refúgios: Os refúgios ao longo do Circuito W, em Torres del Paine, Chile.

(Texto e fotos: Amandina Morbeck)


Observação: Se tiver intenção de visitar esse lugar, confirme as informações na época de sua viagem, pois com o passar do tempo (desde a publicação deste post) muitas coisas podem mudar.


Receba nossas novidades por e-mail. Para isso, é só preencher seus dados abaixo e clicar em “Enviar”. Ficaremos contentes de ter você em nossa lista!


Posts relacionados (clique nos títulos para acessá-los):

– Finalmente, o Circuito W em Torres del Paine, Chile

– Como organizei o trekking no Circuito W em Torres de Paine, Chile

– O que levei para fazer o trekking no Circuito W em Torres del Paine, Chile

– Como chegar a Torres del Paine, Chile

– Circuito W, Torres del Paine, Chile – Geral  (Dia 2 / Dia 3 / Dia 4)

– Cueva del Milodón, Puerto Natales, Chile

– Isla Magdalena, Punta Arenas, Chile

– Puerto Natales e Punta Arenas, Chile

 

Restaurantes, bar e café que recomendo na Patagônia Chilena:

– Afrigonia – Puerto Natales, Chile

– Angelica’s – Puerto Natales, Chile

– El Living – Puerto Natales, Chile

– Baguales – Puerto Natales, Chile

– Café Ñhandu – Puerto Natales, Chile

La Marmita – Punta Arenas, Chile


Comments

comments

Comente este post

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *